quinta-feira, 12 de junho de 2008

Não precisava ser assim


Há poucos dias vimos mais um acidente fatal com motos. O caso foi bastante noticiado por ser um jogador de futebol a vítima. O jovem jogador pilotava uma Bandit 1200 de madrugada em São Paulo. Pelo que li, ele acelerou um pouco mais e passou em um sinal vermelho, pois não tinha habilitação e viu um carro de polícia, do qual procurou afastar-se. Havia comprado a moto há apenas dois meses, não sei se já possuia experiência anterior com motos.
É evidente que a moto oferece mais riscos do que um carro. O mínimo que um motociclísta consciente precisa fazer diante disso é tentar minimizar estes riscos e não acrescentar outros fatores que possam piorar as coisas.
No caso citado, alguns elementos bastante perigosos entraram em cena e, a combinação deles foi fatal. Alguns conselhos do Tiozão à luz destes fatos:
1 - Nunca dirija sem habilitação, capacete ou qualquer coisa que faça você ter que fugir de um policial. Medo de uma fiscalização é uma das coisas que coloca muita gente em risco.
2 - Evite dirigir a noite, especialmente de madrugada. Você pode até não estar embriagado (no caso do jogador não consta que estivesse), mas alguém por perto de você estará. O risco de uma colizão traseira é muito elevado. Se beber, mesmo que moderadamente, você aumentará muito o risco de um acidente.
3 - Nunca aproveite o trânsito mais deserto para exagerar na velocidade ou passar sem cuidado por sinais vermelhos. É uma roleta russa.
4 - Mesmo que tenha dinheiro sobrando vá com calma, não compre uma moto maior do que a sua habilidade de pilotagem. Motos esportivas tem um comportamento absolutamente inadequado para as condições de trânsito e estado de conservação das vias no nosso país (sem falar na educação dos motoristas).
Abraço a todos, até a próxima.

2 comentários:

Ricardo Matiello disse...

Verdade Brother...
Muitas coisas poderiam ser evitadas por seguir alguns conselhos como os que foram relatados aqui.
Mas, infelizmente continuamos a ver cenas como esta.
Abraços e parabéns pelo Blog!

Dill disse...

Mais uma prova de que a empolgação também provoca imprudência