quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Cerol: perigo a vista, ou escondido.


cena 1: Depois de quase um ano de intermináveis aulas, João um garoto de vida simples na periferia de uma cidade litorânea, não se segura mais de tanta ansiedade; quer voltar ao seu maior objetivo na vida: empinar pipas no período de férias escolares. O cerol é proibido, mas ninguém contou para ele, e se contarem ele não vai ligar também. O melhor lugar para se empinar pipas é num terreno próximo à praia. Uma estrada separa o local onde os garotos empinam seus pipas da praia. A única coisa chata nisso tudo é quando um pipa é cortado e cai do outro lado da estrada; ou quando o vento fraco faz o pipa cair para lá. A mão de João sempre diz "cuidado na hora de atravessar a estrada muleke".
Ih, olha lá, o pipa do João está caindo, atravessando a estrada...

cena 2: Depois de um ano inteiro de trabalho estressante, Marcos não aguenta mais a vontade de por o pé na estrada denovo, ou melhor, por a moto na estrada. A praia é o seu destino predileto. A estrada é linda, cheia de curvas. À direita vê-se o mar azul, à esquerda uma das poucas áreas de Mata Atlântica ainda preservadas. Pequenos povoados se sucedem, onde gente simples vive de uma maneira humilde mas feliz. A única coisa chata são esses mulekes que insistem em empinar pipa do outro lado da estrada. O pior é que Marcos nem quer saber de antenas "corta cerol", não combinam com o estilo de sua moto.
Ih, olha lá...

Calma, essa história vai ter um final feliz: João mora no sul da Bahia e Marcos está no litoral norte de São Paulo, a caminho de Maresias.
Será que você vai ter a mesma sorte?

3 comentários:

Ricardo M disse...

Não conheço muito as antenas anti-cerol. Pode dar uma idéia num post?

Youssef disse...

Ricardo, é aquela anteninha (horrível, é verdade) que você prende no guidom. Além de impedir de a linha ir direto ao seu pecoço ela aa corta.

Antonio disse...

Muito bom o Texto!!!Muito feliz na criação da estória...Parabéns.