sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Moto do Coração - Suzuki Intruder


“Moto do coração” é uma seção que destaca motocicletas que possuem muitos admiradores, ou admiradores apaixonados. Não necessariamente unanimidades. Esse é o caso da Suzuki Intruder 250. Quem gosta é apaixonado, mas também tem quem deteste, na verdade por não compreendê-la. Seu estilo desperta paixões, contra ou a favor.
Mas o que dizem os proprietários? Que ela é Linda, tem estilo, é confortável; seu motor tem um bom torque e a moto é bastante confiável. Uma mecânica simples mas bastante eficiente. Além de tudo, é econômica para sua cilindrada. A facilidade de “customizá-la” também atrai a muitos. Os acessórios são facilmente encontrados por aí, mas os mais ousados preferem fabricá-los. Defeitos? Quase nada, exceto o fato de não se poder comprar uma zero.

Mas aí entra em cena sua irmã menor. A Intruder 125 coleciona os mesmo elogios que a irmã maior, com a vantagem de se poder comprar uma “zerinho”, ainda mais econômica e confiável. Bem equipada pelo preço que se paga, a Intruder 125 é uma pequena grande moto. Uma enquete feita pela internet deu 93% de proprietários que se diziam “muito felizes” com a moto; não é pra qualquer uma.
Disse acima que elas não são bem compreendidas e, daí, muitas vezes criticadas. Acontece que a categoria a que pertencem não existe no Brasil. Não é uma “custom” no sentido mais tradicional do termo, como a Intruder européia (LC 125), com motor em V. As Intruders (GN na verdade), fazem parte de um estilo que foi popular na Europa quando as importações estavam proibidas. Eram motos simples, geralmente de um cilindro, mesmo em cilindradas mais altas (400 ou 600cc) e que misturavam um aspecto “retrô” com pitadas de motos “custom”. Sinceramente, não sei que nome se dá a isso. Mas todas as fábricas tinham seu modelo, concorrente da Intruder. A Yamaha, por exemplo, tinha a linha SR (250, 400), como a da foto abaixo. A Intruder (GN) também tinha a opção de 400cc na Europa.

Como no Brasil estas motos não chegaram, a Intruder ficou parecendo uma moto de estilo único e, por isso mesmo, amada por uns e detestada por outros. Os críticos reclamam que seu estilo não é definido mas, na verdade, ela está exatamente dentro da proposta dessa categoria que citei e que não existe no Brasil.
Veja também os modelos dessa categoria da kawasaki e Honda


Particularmente sou apaixonado por esta categoria e gostaria muito de poder comprar uma Yamaha SR 400 ou uma Intruder 400cc como essa aí embaixo .

11 comentários:

cosme disse...

Amigo Youssef;posso te chamar assim porque todos que primam pelo cuidado e pelo respeito se colocam neste sentido em nossas vidas.O estilo Intruder é unico e a própia tradução já o diz intruso.É com alegria que percorri a matéria com satisfação,as intruders são marco de pessoas que tem o seu estilo.Motocicletas são uma paixão que foge a lógica e o entendimento.Não queiram compreendelas,simplesmente as amem.

Matheus Andrade disse...

intruder eh demais!!!!

parabens pelo blog!!!

ilda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ilda disse...

Valeu Youssef , é bom encontrar matérias que demonstram que não só pelo preço atraente a Intruder é boa opção para a primeira moto, estilo , conforto e facilidade de customizar são motivos suficientes para se apaixonar.

KAHN disse...

O Estilo eu sei. Chama-se Cruiser. Eu adoraria comprar uma 400cc. Vou copiar a foto e tentar vender a idéia para a J.Toledo.
Kahn

andré luiz gonçalves de oliveira disse...

Olá

comecei te acompanhar agora, mas ja sou seu fã!
Gosto de motos de estrada e comecei agora com isso. Comprei uma Intruderzinha pra me acostumar com motos, já q sou inexperiente. O desenho dela é mto bom e c pouco dinheiro e trabalho da pra deixá-la bem bonita...

tenho umas fotos dela em meu blog:

alguns-blog.blogspot.com


abraço

Anônimo disse...

comprei minha primeira moto e essa foi intruder mim apaxonei por ele quando vir pele primeira vez

uilton disse...

essa moto e o maximo nem sei pilotar e ja comprei uma vou aprender com ela

marcosvela disse...

Youssef, tive uma yamaha sr 250 sp vinho zerinha quando morei na Espanha entre 1992 e 2005. Moto fantástica, dentro da filosofia a que se propõe. Para viajar com 2 pessoas a té uma velocidade de 100km/h, confortável, segura e econômica. Cheguei a fazer mais de 30km/l. De volta ao Brasil e sua particular realidade, comprei uma intruder 125 em 2007 e estou com ela até hoje, sempre que quenso em trocá-la por outra moto maior (250), me faço a pergunta do milhão: Preciso? Não, não preciso, e pretendo ficar com ela indefinidamente pois cumpre com todos os requisitos que preciso de um veículo de 2 rodas no qual estamos expostos as intempéries, a riscos, etc.... Estes requisitos são a economia e a mobilidade e até, porque não, uma pitada de adrenalina (que se voce quiser buscar, até numa 125 comportada voce encontra). Se for para ter uma moto que custe e consuma como um carro popular e tenha, ademais, uma manutenção igual ou mais cara que ele, então fico com um carro. Questão de racionalidade. "Quando menos é mais", eis a filosofia qual procuro sempre utilizar na vida, como poderá ser visto no meu blog http://policat-marcosvela.blogspot.com Parabéns pelo seu blog!

GuiMendes disse...

Olá Youssef,

Em pensar que estava pensando em vender a minha...
Realmente quem tem sabe o valor da Intruder 250. Tenho uma preta, 2001, com 35.500km rodados, toda original. Uma excelente moto.

Suzuki disse...

Suzuki com preços incríveis ! Venha conferir as promoções especiais que a Suzuki preparou