quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Moto do coração

Esta é uma nova seção do blog. Irei intercalar, assim como outras que virão, para que o blog não se torne cansativo, limitado às dicas de segurança. Mas quem quiser ver só as dicas de segurança pode clicar no marcador e está tudo lá.
“Moto do coração” vai dar destaque para alguns modelos que marcaram época ou que, mesmo ainda sendo relativamente novos, já nascem com uma legião de admiradores. Não há unanimidade nesse tipo de coisa e sei que muitos não concordarão com minhas escolhas (ou vetos), mas vou colocar aqui motos que eu entenda como máquinas de personalidade.
Já fiz isso, meio sem querer, ao colocar o vídeo da Moto Guzzi V7 Classic há alguns dias. Agora vai virar uma série. Pode pedir a sua “moto do coração”, mas não garanto que eu vá publicá-la. Tem que passar pelo crivo do Tiozão.
Abraço a todos.

XT 600
Tanto a sua antecessora, a Ténéré, assim como a sucessora XT 660, são motos dignas de estrear essa categoria, mas escolhi a 600 exatamente por estar no meio delas. É impressionante o grau de satisfação que os donos de XT 600 tem. Quase tudo é elogiado na moto e, quando algo é criticado (como a vibração) eles adotam o slogam dos proprietários de Harley e dizem “não é um defeito, é uma característica da moto”.
Ela é definida freqüentemente como “um trator”, mas não se iluda, não há aí nenhuma insinuação de lentidão ou de uma moto pesada. Ela arranca muito forte, tem boa velocidade final e, ainda por cima, gasta pouco para o seu tamanho. Poucas motos conseguem ser tão versáteis, enfrentando bem o trânsito da cidade, por cima dos retrovisores dos carros, mantendo boa velocidade de cruzeiro na estrada, mesmo com garupa, e passando pelas trilhas e estradas de terra como um verdadeiro trator.
Gosto ainda mais dela por ser um pouco mas leve e compacta que a Ténéré, sem deixar de ser imponente.
Mas nem tudo pode ser perfeito; uma moto tão apaixonante tem us sério problema: os larápios também a adoram e fazem de tudo para roubá-la.

Um pouco da história da família toda você encontra aqui: http://www.motoesporte.com.br/historia%20moto/historia%20yamaha%20tenere.htm
http://www.forumxt600.com.br/forum/ftopic4334.html

6 comentários:

João disse...

Parabéns Youssef!! Seu blog está demais e vc começou com o pé direito a seção moto do coração. Atualmente sou dono de uma Falcon, mas minha amante eterna será a XT 600.

Abraços,

João Paulo
No orkut -> /+/J/+/ comunidade honda falcon nx 400 e falcon nx 400

afonso disse...

Parabens pelo blog amigo, conheci ela na propaganda na comunidade da CB no orkut, sou doido por motos, acho a XT600 linda, e tenho herdada do meu pai uma XL 250r 83 motor japonês moto que ainda hoje chama a atenção de alguns, meu pai tem ela a mais de 10 anos se puder fazer uma materia sobre ela eu tenho em pdf o artigo de uma revista que é o comparativo dela com a DT 180 e a Montesa 250 2t

se tiver interesse mande email para afonsogrf@hotmail.com

abraços
parabens pelo blog, ja esta favoritado.

cosme disse...

Eu nunca gostei de motos altas,mas a yamaha vem me seduzindo de mansinho igual mulher manhosa.Estou pagando o consorcio de uma Fazer 250,mas já decidi vou levar uma XTZ250X.Olha que desde 1975 eu só tive Strit.

Youssef disse...

Uma boa escolha Cosme, Não vai se arrepender.

Reginaldo disse...

Youssef parabéns pelo seu blog!!!
Sou dono de uma Intruder 125 ano 2007, moto muito confortavel e econômica, já possui uma Honda titan cg 125 ano 1999, ótimo motor, mas estou muito bém com minha Suzuki. Foi amor a primeira vista, valeu.

frederico disse...

Muito bom! Muito bom! Gostei de tudo.Gostaria de falar um pouco de algumas motos que já tive, XLX 250R(COM UM CARBURODOR SÓ) nos anos 90 uma guerreira,fui até a Bolivia com ela, vi o Brasil perder a copa de 90 para a Argentina,(NÃO PODERIA TER PIOR RSSULTADO) em Porto Velho e de lá fui até Rio Branco no Acrê.Hoje tenho uma XT 600,troquei peças e ela esta boa,é um absurdo sua força,tenho 1.80cm e uns 100kg mais se não agarrar no guidon cai.Com ela.Ainda não fiz longas viagens fui até Mosqueiro,(uma ilha proximo a Belém,e só. mas não faltara oportunidades.Um abraço em todos.