sexta-feira, 22 de agosto de 2008

"Moto do Coração" - XL 250R


Depois da secura que passamos com a proibição de importação de motocicletas e do início tímido das nacionais (RD 50 da Yamaha e CG 125 da Honda) a XL 250 marcava, em 1982, um momento em que motos modernas começavam a ser nacionalizadas. O motor com 4 válvulas no cabeçote de 22HP, a suspensão traseira com pró-link, entre outros detalhes, agradaram bastante. Também era uma moto de bom porte, algo também muito desejado naqueles tempos em que ficamos privados das motos de maior cilindrada.
É verdade que a DT 180, sua eterna rival (e que será nossa próxima “moto do coração”) costumava se dar melhor nas trilhas, com seu motor 2T e porte mais leve, mas nada disso tirava dos admiradores dos 4T o valor da XL. Na verdade tratava-se de opções bem distintas. O torque, a robustez e o porte da XL tinham muitos admiradores e a moto vendeu bem.
Tanto é assim que a moto gerou sucessoras. A XLX 250 viria logo após, inicialmente com dois carburadores e mais potente. Depois voltaram a usar o carburador único. A XL 125 também é um desenvolvimento de mercado da XL “mãe”, embora mecanicamente não tenham um parentesco tão próximo. A XLX 350, que viria em 1987, segue a mesma linha, atendendo a expectativas do mercado.
Voltando à original, a XL 250, um dos poucos itens em que deixava a desejar era o freio dianteiro, ainda a tambor. Os contragolpes no pedal de partida também eram criticados, embora fossem muito mais fortes no modelo XLX 350 do que na 250.
Resumindo, quem teve uma tem saudades, quem ainda tem é um privilegiado; O Afonso, por exemplo, é o dono dessa aí de cima, que ilustra o tópico. Depois de pertencer por vários anos ao seu pai ele a recebeu como “herança” e garante que não vende a ninguém; vai guardar para como herança para seu futuro filho. É ou não é uma “moto do coração”?

5 comentários:

afonso disse...

Valeu Youssef

ficou show de bola o post parabens mesmo e obrigado

abraços

Sergio Luiz disse...

caraca eu tenho uma 1982 desde zero muito boa até hoje nunca me deixou na mão e não troco ou vendo por valor nenhum. quem quizer dar uma olhadinha...
http://images.orkut.com/orkut/albums3/ATgAAAAbX1-mNG3cUIxa_TwNh0c7c7exWTR7eoDZDK2G3Jaomqjq0igk7N27Zs-qIyO0HLD7RkRxHNeKiBnwhcRFcgrJAJtU9VBzCFG7k24tozC30giC5lZFvIUzlQ.jpg

MarceloBruno disse...

meu sonho foi ter uma dessas ... o mais perto que cheguei foram duas DT180 que eu comprei em leilão de sinistrados ... ehehehe
Se eu fosse ter todas as motos que eu sonhei ter, haja garagem e $$$ pra pagar IPVA ...

abraço e parabéns pelo Blog. Espaço de tiozão das antigas, de quem tem mais de 40 e uns como eu.

Marcelo Garbin

Izaias Góes disse...

Véio, teu blog é muito legal, mato saudades das clássicas por aquí, tive uma cb 400 82 e a vendí, me arrependí grandemente. Agora, me apareceu uma xl 250 "zero bala". P´ra não me arrepender de novo, agora não vendo. Obrigado por teu trabalho valioso. abraços.

ceafla disse...

Tive uma XL 250 R, ano 82, das primeiras mesmo,com aros DID, muita coisa importada nela, Acho que seu processo de nacionalização ainda estava começando. Youssef, acho que elas tinha 2 válvulas por cilindro, não 4. Somente os modelos XLX,(rvfc) a partir de 84 é que as 4 válvulas. DT também tive 2 uma 83(6 volts ainda)e uma dt 180 N. Abraços.